Pós-Peça

Francis acabara de sair pela porta da cochia carregando Sarah em seus braços, sendo logo em seguinda acompanhado pelos outros Magos do Concilium. Saindo pelos fundos do Teatro.

Os membros da cabala do Teatro estavam um tanto atordoados com a série de acontecimentos durante a peça, pouco entendendo porque, e como as coisas tinham tomado aquele rumo, mas suas duvidas teriam que esperar até o final da noite.

Sem muitas delongas Maestro deu todas as entrevistas solicitadas, falando dos novos projetos do Teatro e de seu patrocinador. Conversou com os todos convidados de honra, de quem recebeu os mais fervorosos aplausos de admiração e fascínio por tão bela peça.

Por volta das 4 horas da madrugada finalmente todos haviam ido embora e Maestro pode fechar as portas do teatro, contemplando o mais puro silêncio.

Acendendo seu cachimbo e pegando uma dose da vodka que ganhou dos embaixadores Russos, cercado apenas pelas cadeiras vazias do teatro, Maestro sentou-se na beirada do palco, pegou seu violino, e começou a tocar uma última vez antes do nascer do dia.

Como era de se esperar, os membros da cabala estavam o esperando ávidos por uma explicação, afinal, ele era o líder da Cabala. Muitas perguntas seriam feitas essa noite, e Maestro não tinha a resposta de todas.

Os ânimos estavam a flor da pele, ninguém imaginava que a garota poderia despertar durante a apresentação, e muito menos que uma peça de teatro “sairia do controle”. Cada um dos membros da cabala, ao encenar seu papel, havia tornado cada gesto único, como se fosse real, como se não fossem eles encenando.

Quem dera o único problema da Cabala fosse apenas o despertar da garota, se é que isso pode ser encarado como um problema. De tudo que acontecera esta noite, sem sombra de dúvida, a morte do ferreiro foi o que mais mexeu com os Magos da Cabala. Talvez por isso ele estivesse encalusurado em um monastério, se protegendo de alguém, ou de algo.

O que aconteceu não foi mencionado com ninguém além dos Magos da Cabala, e assim deve permanecer, até que o responsável seja encontrado.

Alem de todos os acontecimentos, um deles, voltado unicamente ao Maestro, foi interessante. Antes da apresentação, aquele homem de preto, que viera exclusivamente para ouvir a musica de Boris, nome usado pelo próprio homem quando conversou com Maestro.

O Consilium ficou um tanto quanto irritado, principalmente Francis, ao ver a grande quantidade de magia circulando pelo teatro de uma unica vez, na frente de todos os Adormecidos, mas Maestro sabia o que estava fazendo, e os Adormecido acharam tudo muito lindo, os efeitos no palco, a realidade da cenas, como uma bela peça de teatro. Mal perceberam o que haviam acabado de assistir e que, no fundo todos foram influênciados de alguma maneira e quem sabe chegado um pouco mais perto de tudo o que é real.

Todos terão muito trabalho a partir de agora. Muito aconteceu em apenas uma noite, e muito ainda deve ser desvendado. Para Maestro, apesar do grande cansaço físico e psicológico, agora não era hora de se desesperar e sim de manterem-se firmes em seus propósitos e, mais do que nunca, unirem-se de verdade como uma Cabala, e não apenas como uma simples reunião de Magos.

Maestro também não concordava com Francis ter levado a garota, mas talvez fosse melhor assim. A única coisa que o incomoda é saber que tão promissora jovem provavelmente será ensinada a enganar os Adormecidos e vez de mostrar-lhes a verdade a que todos tem direito, da mesma maneira que nós Magos um dia tivemos.

Após terminar sua música, Maestro da um último trago, termina sua dose e levanta-se do palco, sozinho, como sempre foi, pelo menos até agora, e sussurra para si mesmo.

- Talvez nem tudo esteja perdido. – E segue em direção a cozinha do teatro para se reunir a seus companheiros de Cabala.

Pós-Peça

Nova Era Jones